ST 16 - Monumentos e obras de artes no espaço público: intervenção, conflito e reparação

Lindener Pareto Jr. (PUC Campinas/Unicamp) e Tiago Machado (IFSP)

Considerando a importância de monumentos e obras de arte como documentos de cultura, de domínio e opressão, mas também de intervenção e denúncia, essa proposta pretende articular questões globais em torno de Direitos Humanos, desigualdades, injustiças e representações em torno de políticas de memória, patrimônio e reparação, aspectos cruciais de um debate público necessário para a transformação de espaços urbanos compartilhados. Nesse sentido, parte significativa das práticas artísticas contemporâneas baseia a sua atuação em um lugar específico. São os chamados projetos “site-especific”, que aparecem nas descrições de artistas e críticos com muitas variações de nomenclatura tais como “site-determined”, “site -oriente d”, “site-referenced”, “site-conscious”, “site-responsive”, “site-related”. Esses termos procuram fazer referência às múltiplas permutações das práticas associadas ao trabalho crítico, com viés anti-comercial e anti-idealista desenvolvido a partir do final dos anos 1960. Atualmente, inclusive, é comum que estes trabalhos sejam muitas vezes comissionados pelo curador do museu em nome das instituições que representam ou da exposição periódica que estão, em parte, ajudando a organizar. Os eventos artísticos, muitas vezes prescrevem, inclusive, o local e a forma do investimento que o trabalho deve sustentar. Deste modo, diagnostica-se que, nas últimas décadas, a arte contemporânea passou a trabalhar de modo mais frequente em torno de propostas que envolvem os espaços públicos. Embora tais propostas, efetuadas fora dos museus e galerias, contem com o seu apoio institucional, os trabalhos artísticos que se lançam no espaço público da cidade propõem novos olhares, fomentam novas perspectivas sobre espaços já monumentalizados, abrindo discussões sobre o caráter patrimonial que envolve parte do tecido urbano, tecendo relações, por vezes surpreendentes e disruptivas, com aspectos simbólicos e materiais já consolidados pela estrutura da cidade. Esse fenômeno pode suscitar questões acerca do papel da arte pública na (re) abertura das discussões sobre os usos e entendimentos dos espaços partilhados por uma determinada comunidade. Assim, nesta proposta, teríamos especial interesse em fomentar a problemática sobre as relações entre as práticas artísticas contemporâneas, em especial aquelas situadas no espaço público da cidade, tais como o uso e o sentido dado pelo espectador às obras/monumentos instalados no espaço urbano; a problematização entre a efetuação artística e a história simbólica e arquitetônica do lugar investido; a possível abertura de discussões em torno dos referenciais histórico/culturais que lastreiam o patrimônio público abertas pelo trabalho artístico.

CRONOGRAMA DE APRESENTAÇÕES DE TRABALHO

  • Dia 05/10 (Terça-feira)

(14h) O mal da identidade nacional brasileira.

Bruna Carneiro Leão Simões

(14h30min) A comunidade motivada a preservar: Igreja Matriz Nossa Senhora d’Abadia de Itaberaí - GO

Edinéia de Oliveira Angelo

(15h) Para revelar o cenário: os trabalhos in situ no espaço público

Tiago Machado

  • Dia 07/10 (Quinta-feira)

(14h) Repensando os sentidos dados ao Monumento ao Curtidor como uma homenagem aos trabalhadores do couro

Cinara Isolde Koch Lewinski

(14h30min) Monumentos globais: capitalismo, espaço urbano e a celebração dos arautos da escravidão

Lindener Pareto Jr.